Saiba como formar um preço de venda alinhado com o lucro desejado


Saiba como formar um preço de venda alinhado com o lucro desejado

A precificação dos produtos e/ou serviços da sua empresa é uma das ações mais importantes quando o assunto é regularidade financeira. A correta fixação dos preços é que garante, por exemplo, que os ganhos superem os custos e o tão visado lucro apareça. Sem isso, certamente o empreendimento apresentará dificuldades para manter-se e crescer.

Em razão da importância desse tema para o sucesso da sua empresa, no post de hoje mostraremos como formar o preço de venda dos seus produtos, de forma a garantir a competitividade do negócio, a satisfação do cliente e, ainda, a sua saúde financeira.

Dica: Análise financeira da empresa: aprenda como fazer!

Então, se tem interesse em saber mais, continue com a leitura e confira as respostas para as dúvidas mais comuns sobre o preço de venda!

O que é preço de venda, afinal?

De maneira bem simples, o preço de venda é o valor que a sua empresa estabelece para os produtos e serviços que cobra dos seus clientes. Em outras palavras, é o valor que o cliente paga por um produto ou serviço da sua empresa.

A noção de precificação é bastante simples, porém, encontrar o equilíbrio exato entre um preço competitivo, capaz de atrair o cliente, e uma boa margem de lucro não é tarefa fácil. Existem algumas variáveis que devem ser consideradas para se chegar ao ponto ideal. Mas não se preocupe, pois explicaremos mais adiante.

Como calcular o preço de venda de um serviço?

Essa está entre as principais dúvidas do empresário. Precificar um serviço pode ser bastante complicado, especialmente quando não se sabe quais os elementos a serem considerados nos cálculos.

O ponto de partida da precificação é entender que esse preço precisa ser justo e suficiente para arcar com os custos envolvidos na prestação do serviço e ainda que seja capaz de gerar lucro para a empresa.

Sendo assim, um dos pontos fundamentais na hora de definir o preço de um serviço é a mão de obra. Nos cálculos você deve considerar os seguintes valores:

  • custos com salários dos funcionários;
  • despesas com impostos, comissões, gastos operacionais (água, energia, aluguel etc.);
  • lucro, que pode ser estabelecido em porcentagem.

Por exemplo, imagine que uma pequena empresa de construção seja contratada para executar um serviço por um mês. Essa empresa possui 5 funcionários, cuja soma dos salários é de R$ 10.000,00 (dez mil reais). As despesas mensais com impostos, comissões e outros gastos operacionais totalizam R$ 2.000,00 (dois mil reais). Além disso, fixa-se uma margem de 20% de lucro sobre os custos.

Desse modo, o preço dos seus serviços será: 10 mil + 2 mil + 2 mil (20% de 10 mil) = 14 mil. Esse valor final de 14 mil comporta todos os custos e despesas da empresa e ainda consegue gerar uma margem de lucro de 20%.

Como calcular o preço de venda de um produto?

O cálculo de preço de um produto segue o mesmo raciocínio para se fixar o preço de um serviço. Para chegar a um valor justo e suficiente, o comerciante, por exemplo, deve considerar:

  • o custo do produto quando comprado do fornecedor;
  • as despesas do estabelecimento, como aluguel, funcionários, impostos etc.;
  • e uma margem de lucro sobre cada mercadoria.

Aqui, a dificuldade maior é estabelecer o quanto das despesas operacionais do estabelecimento são repassadas ao consumidor final. Por isso, é muito importante conhecer os gastos mensais e também o faturamento do negócio.

Uma dica é avaliar os preços dos concorrentes, pois além de ter uma noção, poderá trabalhar com valores mais competitivos. Porém, é preciso levar em conta o volume de vendas da sua empresa, razão pela qual não se deve seguir apenas a análise dos concorrentes.

Quais fatores devem ser considerados na precificação?

Como já foi possível perceber, existem algumas variáveis que são incluídas no preço de venda do produto, pois representam custos e despesas que o empresário precisa desembolsar para fazer o lucro aparecer. Vejamos mais detalhadamente quais são:

  • custos: é tudo aquilo que você consome de dinheiro para oferecer seus produtos e serviços aos clientes. Aqui se incluem os custos com fornecedores, embalagem, armazenamento, transporte etc.;
  • despesas: neste item são somados os gastos com impostos, salários, energia, água, aluguel, entre outros não ligados diretamente à comercialização;
  • margem de lucro: uma vez conhecidos os custos e despesas do empreendimento, você deve estabelecer uma porcentagem que pretende ganhar, depois de descontados esses itens. O lucro é a parte que sobra para a empresa.

Regime tributário

É importante mencionar, ainda, que o regime tributário, ou seja, a forma como os tributos são cobrados do negócio, tem impacto significativo nos seus resultados. Hoje, três são os regimes de tributação: simples, lucro real, lucro presumido, cada um com suas características e alíquotas de cobrança, descontos e incentivos fiscais. Você deve conhecer mais a fundo o regime a qual sua empresa está vinculada, até para que possa definir os preços com mais precisão.

Outros fatores importantes

Somados aos itens listados, existem alguns que poucos empresários costumam considerar no preço final de um produto ou serviço, mas que acabam afetando-o diretamente. São eles:

  • despesas com emissão de cobrança bancária;
  • taxas de cartão de crédito;
  • inadimplência — funcionando como uma provisão de perdas.

Cada um desses quesitos deve ser bem calculado. Por exemplo, ao final de um mês de operações notará que as taxas de cartão, ou outros serviços bancários, consomem uma parcela do preço de venda do produto e, dependendo do volume de transações nessa modalidade, a sua margem de lucro será bastante prejudicada.

Como ter um mark-up sustentável?

Dentro do contexto da precificação, um termo bastante comum e útil para o empresário é o mark-up. De maneira simples, mark-up nada mais é do que um índice — espécie de valor fixo; multiplicador — que, quando aplicado sobre o custo de um produto ou serviço unitário, aponta o preço de venda mínimo a ser praticado para que a empresa mantenha o lucro.

Para se chegar a um mark-up sustentável é preciso realizar alguns passos:

  • em percentual, inicialmente é preciso identificar o valor de despesas variáveis sobre cada produto ou serviço comercializado;
  • em seguida é preciso encontrar, no período determinado, o percentual referente às despesas fixas para cada produto ou serviço;
  • por último deve-se definir uma margem de lucro pretendido para cada unidade.

 Em números, visualize a seguinte conta:

100/[100-(despesas variáveis + despesas fixas + lucro pretendido)]

Nesse exemplo, considere:

  • 100 é o preço unitário total de venda em percentual;
  • despesas variáveis: 15%
  • despesas fixas: 15%;
  • lucro pretendido: 15%

Mark-up = 100/[100-(15+15+15)]

Mark-up = 100/(100-45)

Mark-up = 100/55

Mark-up = 1,81

Desse modo, no exemplo, para se obter o preço de venda, basta multiplicar o custo unitário do produto ou serviço por 1,81.

Por fim, o entendimento de como formar o preço de venda de um produto e/ou serviço passa por uma série de etapas e considera alguns elementos. Ter o cuidado de avaliar cada um deles certamente garantirá que a sua empresa trabalhe com preços mais justos, competitivos e suficientes para gerar o lucro necessário para o negócio se desenvolver.

Gostou deste artigo e tem interesse em saber como a Cresol pode ajudar você? Clique no banner abaixo!

Cresol: ao seu lado, sempre que precisar




Por
04/01/2018

Nossa missão é promover a inclusão social através do acesso ao crédito! São mais de 200 mil famílias cooperadas em 10 estados brasileiros, e nos orgulhamos por ser o maior sistema de cooperativas de crédito rural solidário do Brasil.


Assine nosso blog

Não perca nenhuma novidade!

Assine nosso blog

Não perca nenhuma novidade!