Acesse sua conta
Acessar conta
Publicado em: 14/03/2022

Cooperados Cresol expõe produtos no Pavilhão da Agricultura Familiar na Expodireto

As vendas estão sendo muito positivas, segundo expositores
agroindustriapiuco

Compartilhe

Compartilhe

Da erva-mate a cuias de chimarrão, de salame e queijo a barras de cereais e panificados. A diversidade de produtos no Pavilhão da Agricultura Familiar na Expodireto Cotrijal, em Não-Me-Toque (RS), é grande. São 197 produtores espalhados em 191 estandes, representando 120 municípios. Entre esses expositores encontram-se vários associados da Cresol que inclusive estão pra lá de satisfeitos com as vendas durante a feira.

“Esse ano está bom, superando as expectativas. Não estávamos tão esperançosos devido a pandemia e a estiagem, mas está surpreendendo”, comenta o sócio-proprietário da Agroindústria Piuco, Alisson Piuco. Associada da Cresol em Ronda Alta (RS), a agroindústria possui 12 anos e trabalha com toda linha de embutidos e derivados de suínos: salame colonial, copa, torresmo, morcela, bacon, linguiça campeira, calabresa, lombo, entre outros. Essa é a segunda participação do associado na Expodireto. Quem também está muito feliz com as vendas durante a feira é o casal Marizete de Fátima e Elmo Luiz Garbin, da agroindústria familiar Biscoitos Garbin, de Passo Fundo (RS). Os associados da Cresol produzem 20 variedades de biscoitos integrais e não integrais, sendo que já são expositores da Expodireto em 11 edições.

Para Bruno Renan Martinelli Largo associado da Cresol em Constantina (RS) há 10 anos, a feira está superando as expectativas depois deste período de pandemia que o mundo está atravessando. Ele é proprietário da agroindústria Lazzaretti e Zatti que produz embutidos de suínos e participa pela 8a vez da feira. Já a agroindústria O Casarão, de Soledade (RS), faz sua 4a participação na Expodireto, comercializando pães, cucas, bolachas, entre outros produtos da linha de panificados. O proprietário Estevão Schultz também está gostando dos resultados de vendas.

Mesmo quem participa pela primeira vez da feira está animado com a movimentação no Pavilhão da Agricultura Familiar. É o caso do seu Ivanor Luis Schmidt, da Queijaria Celeiro, associado da Cresol em Crissiumal (RS). “Estamos em um momento difícil, mas as vendas estão ótimas”, comenta o cooperado que em dois anos do negócio, iniciado em plena pandemia, já apresenta seus produtos na feira. São aproximadamente 130 quilos de queijo produzidos por semana. Atualmente são fabricados queijo tradicional e orégano com tomate, mas já está em projeto o queijo com chimichurri.

Mas além do gênero alimentício, muito procurado pelos visitantes da Expodireto, outros expositores se destacam, como a família Sabadin, de Constantina (RS), que fabricam cuias de madeira. Quando iniciaram a atividade, o primeiro investimento foi com a Cresol, isso há sete anos. Participam da Expodireto há cinco anos, pois além de ter uma boa comercialização na feira, isso gera visibilidade para os produtos. “As pessoas veem as cuias, acham bonitas e compram. Algumas até adquirem e deixam guardadas para bonito”, comenta Cheila Sabadin, filha dos proprietários da fábrica, Leocir e Beatriz.

No entanto, caso o visitante queira utilizar a cuia ainda no dia, é só dar um pulinho em outro estande, o da Ervateira Rainha do Sul, de Novo Barreiro (RS). Associada da Cresol, a agroindústria tem 35 anos de atividade e realiza toda a cadeia de produção da erva-mate: plantio, colheita, industrialização e venda. São entre seis a oito mil toneladas produzidas mensalmente. Desde 2004 participam da Expodireto e neste ano as vendas estão superando as expectativas, segundo dona Ilda e seu Pedro Alberi Brizola.

Para completar a lista de produtos comercializados por associados da Cresol na feira, a agroindústria da Família Pressi, de Santo Antônio do Palma (RS), está apresentando barras de cereais orgânicas. O jovem William Pressi conta que a família trabalha com produtos orgânicos há mais de 20 anos, comercializando produtos em feiras, principalmente em Passo Fundo. Mas, foi em 2012, que começaram a produzir barras de cereais, profissionalizando a produção em 2016. Os produtos são comercializados principalmente para escolas e para o Instituto Federal por serem orgânicos.

Assessoria de Comunicação da Central Cresol Brasil