Acesse sua conta
Acessar conta
Publicado em: 25/10/2019

Cresol lança nova linha de crédito para caminhoneiros em parceria com o BNDES

Cresol lança nova linha de crédito para caminhoneiros em parceria com o Bndes

Compartilhe

Compartilhe

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), em parceria com a Cresol Confederação, realizou na quinta-feira, 24, o lançamento da nova linha de crédito BNDES Caminhoneiro. O evento aconteceu na sede da Cresol Baser, em Francisco Beltrão, (PR) e reuniu diretores das centrais, equipe técnica e um grupo de caminhoneiros da região.
Na oportunidade, Claudio Rabelo Figueredo, Gerente de Micro e Pequenas Empresas e da Agricultura Familiar do BNDES, fez uma retrospectiva sobre o grande desempenho da Cresol nas linhas Agro, sendo hoje o maior repassador de Pronaf junto ao Banco. Outro destaque da parceria de sucesso  entre Cresol e BNDES é o crédito para Micro e Pequenas Empresas, linha lançada há menos de cinco meses e que já consolida a Cresol como a segunda maior repassadora do país.
Sobre o produto BNDES Caminhoneiro, o qual terá a Cresol como um dos principais agentes financeiros, Claudio falou que o objetivo é fornecer subsídio para o caminhoneiro arcar com gastos de manutenção e conservação do caminhão por meio da aquisição de autopeças, pneus, custos de oficina, além de poder financiar o seguro do bem.
O Presidente do Sistema Cresol Baser, Alzimiro Thomé, que acompanhou o lançamento da linha, falou que hoje a Cresol é para todos e com esse produto expande para um novo público.
“Assim como foi há mais de duas décadas com os agricultores e com a expansão para o público urbano e de empresários, que deu muito certo, hoje avaliamos como muito positivo ter uma linha de crédito voltada aos caminhoneiros que representam uma classe muito importante para o desenvolvimento do país. Tenho certeza que ganharemos destaque assim como foi com as demais linhas do BNDES”, destacou Thomé.
O produto BNDES Caminhoneiro está sendo formatado pelas centrais da Cresol Confederação que vão operacionalizar a linha e, em seguida, as cooperativas passarão a fazer negócios e contribuir para o desenvolvimento dos caminhoneiros.