Acesse sua conta
Acessar conta
Publicado em: 08/03/2021

‘No Quintal de Rosalina’: um documentário para despertar sua própria revolução

Documentário relata a trajetória de uma mulher forjada na luta, essa é sem sombra de dúvidas a definição de Rosalina Nogueira da Silva, carinhosamente chamada de dona Rosa.

Compartilhe

Compartilhe

Uma mulher forjada na luta, essa é sem sombra de dúvidas a definição de Rosalina Nogueira da Silva, carinhosamente chamada de dona Rosa. Ela herdou da avó e dos tios, o amor pela terra e desde a juventude, aprendeu sobre cultivo, uso das plantas e começou a trabalhar com as ervas medicinais. Além disso, é militante do Movimento de Mulheres Camponesas (MMC) desde sua fundação, nos anos 80, em Nova Itaberaba-SC, também trabalha com a salvaguarda de sementes crioulas e defende a agricultura familiar livre de agrotóxicos. 

A jornada da dona Rosa inspirou o jornalista e especialista em Cinema e Realização Audiovisual, Taulan Cesco. “A ideia surgiu ainda em 2015, quando eu conheci a dona Rosalina. Anos antes, foi produzido um documentário, o ‘Mulheres da Terra’, no qual a dona Rosa foi entrevistada. Mas somente no fim de 2017, eu tomei a iniciativa de escrever o projeto do documentário, que acabou sendo inscrito e contemplado pelo Edital de Fomento e Circulação das Linguagens Artísticas de Chapecó, em 2018”, relata. Além do Edital de Fomento e Circulação das Linguagens Artísticas de Chapecó, o projeto contou com o patrocínio da Cresol Central SC/RS. “O investimento foi fundamental para a execução do projeto, sobretudo na pós-produção, especialmente a pós-produção de som e o design gráfico, onde pudemos investir mais na equipe e na distribuição do filme, com inscrição em alguns festivais, por exemplo. Mais do que o recurso em dinheiro, o mais importante foi e continua sendo a confiança que a Cresol depositou na equipe e na história da personagem, na valorização dos protagonistas locais, em promover o cinema oestino e fomentar a arte em um cenário cada vez mais cerceador e limitador pelo qual estamos passando nos últimos anos”, ressalta.

 

O documentário é um projeto carregado de histórias, desafios e afeto.

Foto: Reprodução/Instagram

 

As gravações aconteceram por cerca de um ano e toda a equipe trabalhou em outros projetos. “Tínhamos que conciliar nossas atividades com as gravações e, acima de tudo, respeitar a rotina da própria protagonista. A pandemia de Covid-19 também acabou sendo um percalço, tivemos que mudar muitas ações que estávamos planejando, mas estamos reaprendendo a lidar com isso”, lembra. Apesar das dificuldades, a equipe coletou mais de 11 horas de gravação. Para ele, o bom andamento do projeto se deu pela receptividade e pelo desejo de se expressar de dona Rosa. “Ainda na etapa de pesquisa, a família e a própria dona Rosa foram muito receptivas. Isso foi fundamental para o desenvolvimento do projeto, porque sentíamos que a dona Rosa tinha uma grande vontade de falar e ser ouvida, então buscamos prestar atenção nisso também. Para mim, foi uma espécie de desejo em passar seus conhecimentos, em deixar um registro para que outras pessoas se inspirem nessa história e nos ideais dos quais ela acredita”, destaca.

 

Parte da equipe que participou da produção do documentário, ‘No Quintal de Rosalina’.

Foto: Reprodução/Instagram

 

Taulan destaca ainda, que a experiência lhe proporcionou momentos de descoberta e desafio. “Foi e é uma experiência muito desafiadora, mas também muito significativa para mim e, certamente, para a equipe. Todas as pessoas acreditaram na ideia desde o começo e se envolveram de forma muito profunda nas gravações, na produção, com a dona Rosalina. Além disso, contar a história de outra pessoa é uma responsabilidade que eu não tinha experienciado antes, então acabou se tornando uma descoberta pessoal e profissional. Eu já tinha dirigido outro documentário antes, mas foi durante a academia, então ‘No Quintal de Rosalina’ acabou se tornando oficialmente meu primeiro documentário. É gratificante poder contar a história dessa incrível mulher e saber que, de uma maneira ou de outra, estamos plantando ideais tão simbólicos para outras pessoas. Afinal, acreditamos muito nos valores do campesinato, da agricultura familiar, dos movimentos sociais, acreditamos na força da mulher camponesa e no feminismo rural. Espero que a história da dona Rosa atravesse muitos caminhos e chegue a muitas pessoas.”, salienta.

Para divulgar a produção em meio a pandemia, a equipe investiu nas redes sociais. “Basicamente, estamos divulgando o documentário via Instagram e através da imprensa. Buscamos, ainda, mobilizar pessoas e grupos de interesse, com a intenção de aumentar o público. Recentemente, realizamos o lançamento do trailer oficial no Instagram e no YouTube”, relata. Em breve, será lançado o Lyric Video da música tema do documentário, composta pelo músico Márcio Pazin. “A ideia é promover tanto a música quanto o documentário”, destaca.

O documentário está legendado em três idiomas, português, espanhol e inglês, e possui interpretação em Língua Brasileira de Sinais (Libras). “O propósito é torná-lo acessível ao maior número de pessoas possível. Esses recursos foram possíveis, pois fomos contemplados pelo Prêmio Elisabete Anderle, da Fundação Catarinense de Cultura (FCC)”, salienta. O filme foi inscrito em festivais e mostras.

Sobre o lançamento do filme, Taulan alerta que a equipe visa realizar ainda este ano, porém em decorrência da pandemia, ainda não há uma data definida. Em relação à distribuição, a ideia é levar a produção para o maior número possível de pessoas. “Vamos distribuir 500 cópias do filme DVD em escolas, universidades e espaços públicos, a fim de ampliar o alcance do documentário. Ainda pretendemos disponibilizar o filme em plataformas de streaming e cineclubes, caso queiram incluir no catálogo, claro, para ampliar a distribuição. A partir destas sementes, vamos organizar uma série de exibições online e gratuitas do documentário, que serão divulgadas via perfil no Instagram. Por fim, a longo prazo, vamos disponibilizar o filme na internet de forma acessível e gratuita”, finaliza.

 

 

 

Assessoria de Imprensa da Cresol Central SC/RS